Corvus oculum corvi non eruit

Um corvo não arranca o olho de outro corvo, enquanto ambos são coniventes e convenientes, enquanto precisarem um do outro. A expressão em latim serve muito bem para o momento político que estamos vivendo nos últimos dias. Supremo, Congresso, Executivo, Judiciário, cheios de corvos unidos para manter a esbórnia existente desde o final da décadaContinuar lendo “Corvus oculum corvi non eruit”

Impeachment

Pois é, hoje em dia só se fala em impeachment, palavra inglesa que significa impedimento ou impugnação, processo contra autoridades do governo que, sem a menor noção, pisam feio na bola, esquecendo que estão ali para servir e não usufruir. Quem vai ser “impugnado” esperneia, jura inocência, ameaça e fala em golpe mas, na horaContinuar lendo “Impeachment”

Golpe de mão

  Falam de golpe. Conspiram. Traçam planos. Ameaçam. Procuram o inimigo até entre os amigos. Juram lutar até a morte. Falam de golpe. Preparam-se para a guerra, apresentam suas baionetas. “No passará”, gritam em uníssono, triunfantes. Pior, arrogantes. Falam de golpe. Palavras vãs, bravatas perdidas ao léu. Sequer meias verdades são. Lembro dos versos doContinuar lendo “Golpe de mão”

Parasitas do Brasil

  “As parasitas são plantas que se instalam em uma outra árvore e se alimentam de sua seiva. Como não conseguem nutrição suficiente por meio da própria fotossíntese, elas encravam suas raízes, conhecidas como haustórios, no caule ou no tronco de seu hospedeiro, atingindo o sistema vascular e retirando a seiva de que precisa paraContinuar lendo “Parasitas do Brasil”

Ruínas

Fiquei em dúvida sobre qual a imagem mais apropriada para ilustrar esse comentário. As do desastre ambiental de Mariana seriam a escolha óbvia mas, em respeito às vítimas e enojado com a “passividade” quase criminosa de autoridades e empresas envolvidas, escolhi uma foto do meu arquivo pessoal, mostrando que atrás de prédios -ou instituições eContinuar lendo “Ruínas”