Morar na Serra

Foto: Carlos Emerson Jr.

Foram necessários vinte anos para descobrir que ter uma casa na serra e morar na serra são coisas completamente distintas. Vou explicar: no final dos anos 90, com as filhas na faixa dos 14 e 15 anos, achamos que seria uma boa ideia comprar um apartamento (ou chalé, como se dizia por aqui na época) em um condomínio fechado, num bairro de bom nível, sossegado, seguro e pertinho do centro de Nova Friburgo, com tudo o que tem direito como piscina, sauna, quadras polivalentes, salão de festas, bosque, água de nascente, o que você imaginar (parece anúncio de corretora…). Para melhorar era (e ainda é) cercado de florestas por três lados, um luxo adicional.

Pois bem, na reta final a construtora pifou, a entrega do imóvel atrasou, tivemos que gastar além do previsto mas, como devia estar escrito nas escrituras, tudo terminou bem e começamos a subir regularmente quase todos os finais de semana para curtir o ar gostoso e limpo da serra fluminense. Infelizmente adolescentes são volúveis e crescem. Com o passar do tempo, as meninas descobriram outros interesses e as idas para Friburgo começaram a rarear. No entanto, eu e minha mulher insistimos e sempre que possível e apesar do frio, batíamos o ponto regularmente na serra. No inverno era uma festa, muito frio, lareira, fondue e vinho eram nossos parceiros constantes.

Vinte anos é muito tempo e após uma temporada em Friburgo de uns quatro anos, quando até tive uma coluna no jornal local e fiz um bocado de amigos, a vida nos levou de volta ao berço, ou melhor, ao Rio de Janeiro. As filhas tomaram seu rumo e ficamos, minha mulher e eu, sozinhos numa cidade com dez milhões de habitantes, cara, violenta, desorganizada e poluída. Sem perceber, o bichinho do interior já havia nos mordido. Um belo dia, olhamos um para outro e nos indagamos:

– Porque não estamos morando em Nova Friburgo?

Pois é, sem nenhuma resposta racional que justificasse nossa permanência na ex-cidade maravilhosa, fechamos o barraco carioca e no dia 15 de novembro de 2017 tomamos posse da nossa casa na serra, desta vez, se Deus quiser, para sempre.

Depois desse textão todo, posso responder que morar em uma cidade pequena, a meio caminho das Minas Gerais, a mais de duzentos quilômetros da capital, traz a tranquilidade de saber que você pode andar tranquilo nas ruas, conhecer todo mundo, ter a facilidade de pegar o telefone e fazer a compra do mês no seu mercado favorito. Respirar ar puro. Tomar banho de rio cristalino. Ter Lumiar e São Pedro da Serra a apenas alguns quilômetros de casa.

Vou parar por aqui, amigos. Já está entardecendo e daqui a pouco é hora de sentar na varanda e assistir ao sol se pondo atrás da mata que abraça o condomínio. Curtir o calor que, depois de tantos dias gelados, voltou a dar o ar de sua graça. Trocar um dedo de prosa com os vizinhos. Abrir um vinho tinto para comemorar uma conquista muito importante, ainda mais na nossa idade: qualidade de vida. Enfim, morar na serra? Recomendo de olhos fechados!

Acidente na Avenida

Foto: Carlos Emerson Jr.

Não deu para fazer fotos, mas imaginem a cena: Avenida Galdino do Valle (a do Rio Bengalas), hoje bem cedo (para aproveitar o sol quente depois de um loooongo inverno), ainda com poucas pessoas caminhando. A mocinha, toda arrumada para o trabalho, vem contra o meu sentido, com um celular nas mãos (seria mais apropriado nos olhos) e um fone de ouvido enfiado nas orelhas, completamente desligada do mundo exterior (eu e os outros andarilhos). Está tão absorta que começa a desviar seu trajeto ligeiramente para a sua direita, ou seja, exatamente em cima de mim. Fui me espremendo até a grade de proteção e até a grade de proteção ela desviou. O resultado? Parei e quando a jovem ia se chocar comigo, estendi os dois braços e a segurei pelos ombros. Caramba, a guria levou um baita susto! Pedi desculpas, ela também e uma senhorinha que vinha logo atrás de mim, encerrou o quase acidente com um sermão sobre o perigo de andar na rua sem prestar atenção. Geração celular! Pois é.

Redes aéreas

Foto: Carlos Emerson Jr.

Não é por nada não, mas postes atulhados de fios deixam a cidade com um aspecto lamentável… Tudo bem, aterrar isso tudo é uma obra cara, sem dúvida e a concessionária de energia se defende afirmando que 1) a bagunça é feita pela turma da banda larga e 2) a legislação federal permite. Sei lá… Coloquei um céu estrelado na foto acima para atenuar um pouco o desastre visual. Talvez algum dia, quem sabe, pelo menos a Alberto Braune ganhe uma rede subterrânea. Vamos esperar.

Sentados, é claro.

Corvus oculum corvi non eruit

Google Imagem

Um corvo não arranca o olho de outro corvo, enquanto ambos são coniventes e convenientes, enquanto precisarem um do outro. A expressão em latim serve muito bem para o momento político que estamos vivendo nos últimos dias. Supremo, Congresso, Executivo, Judiciário, cheios de corvos unidos para manter a esbórnia existente desde o final da década de 90. Infelizmente, são muitos, frustrante. Corvus oculum corvi non eruit. Os romanos tinham razão.

Agosto, o fim de um deus

Nagasaki, 1945

Foi no dia 15 de agosto de 1945, ao meio-dia, que Deus falou para o povo no rádio, pela primeira vez. O Imperador Hiroito, considerado uma divindade no Japão, anunciou que a guerra havia terminado e todos tinham que se preparar para suportar o intolerável. As imagens e o terror provocado pela destruição das cidades de Hiroshima e Nagasaki (duas cidades católicas, por sinal) tinham sido suficientes. Em 1º de janeiro de 1946, o imperador fez sua segunda transmissão radiofônica afirmando que sua família não tinha nenhuma ligação divina, seu sangue era igual aos dos japoneses e ele decididamente não era um deus. Por iniciativa das tropas de ocupação aliadas, preocupadas com notícias de suicídios em massa, tumultos e vandalismos, o Imperador Hiroito continuou no poder até morrer, em 1989. Com o passar dos anos, todos se esqueceram que um dia ele foi Deus.

Para quem se interessar, segue o link com a tradução livre com a transmissão histórica do dia 15: Gyokuon-hōsō.

Cerejeiras de Nova Friburgo

Foto: Carlos Emerson Jr.

Nem sequer três dias
este mundo vê passar –
Cerejeira em flor!
(Ôshima Ryôta—1716/1787)

Vocês já repararam como nossa cidade está bonita? Pois é, as cerejeiras floriram floraram e durante duas semanas, devidamente acompanhadas por um sol digno de serra, enfeitam ruas, parques, jardins, campos, sítios e fazendas de Nova Friburgo. Os “culpados” são os japoneses, é claro, que em 1927, quando saíram do Japão para morar nas terras altas do Estado do Rio, trouxeram uma de suas tradições mais bonitas e delicadas, o Hanami, contemplação da beleza das flores, “sakura” ou cerejeira. Pena que sua floração só dure duas semanas.

As fotos foram feitas nas Braunes, bairro onde moro, acolhedor o suficiente para abrigar tantas árvores tão belas. A propósito e como era de se esperar, anualmente acontece a Festa da Cerejeira de Nova Friburgo, na zona rural, num local lindo apropriadamente batizado de Florlandia da Serra. Organizada pela colônia japonesa, a festa é um espetáculo de simpatia, gastronomia, tradições orientais e um túnel de cerejeiras de tirar o fôlego.

ありがとう、日本の隣人
Arigatō, Nihon no rinjin

Foto: Carlos Emerson Jr.
Foto: Carlos Emerson Jr.
Foto: Carlos Emerson Jr.
Foto: Carlos Emerson Jr.

Fala mais alto!

Você está ouvindo pouco? Seu sono é agitado? Anda irritado com as pessoas, o cachorro e a patroa? Não quer saber de sexo? As palavras que você mais usa são “fala mais alto”, “heim?” e “não entendi nada, repete”? Está se sentido deprimido, cansado, com dores de cabeça, zumbido nos ouvidos. sem apetite? Nem tudo está perdido, meu amigo, acho que tenho uma boa notícia para você.

Seu problema é provocado pela poluição sonora urbana, aqueles barulhos cotidianos irritantes como serra elétrica em obras, aceleradas de motocicletas, automóveis com descarga aberta e som mais potente que baile funk nas comunidades, carga e descarga de caçambas de entulhos a qualquer hora do dia (e da noite), montagem de feiras livres de madrugada, torcidas organizadas, aos berros, assistindo jogos de futebol nos bares com tv (todos, né?), pessoas conversando aos berros no celular, som alto na casa do vizinho e, para quem morou na Urca, aproximação de aviões para aterrissar no porta-aviões Santos Dumont, digo, aeroporto dos anos 30, voando baixo, com as turbinas rugindo com força para tudo o que é lado e você rezando para o bicho não cair dentro de sua sala.

Ninguém merece, não é mesmo? Infelizmente, tenho também uma má notícia: a cura dessa doença social é complicada, talvez impossível, principalmente se você mora numa cidade entregue às baratas com quase dez milhões de vizinhos. Mas tem remédio, claro. Primeiro, saiba escolher bem o seu prefeito. Eu sei, é difícil, tem uma turma de incompetentes ou coisa pior agarrada ao poder de pai para filho desde que Cabral (o português) chegou a essas terras. Cobrar, reclamar, chamar a polícia, acionar o Bope e dar queixa ao Papa ajuda muito. O problema é que… Bom, como todo mundo no Rio acredita piamente que tem todos os direitos e nenhum dever, uns dois dias depois a zona volta a se restabelecer.

Um belo dia juntei as poluições sonora e ambiental com a óbvia insegurança, decadência econômica, favelização descontrolada, falência da administração pública e resolvi ir embora da cidade onde nasci, cresci e morei exatos 68 anos. Estava me sentindo infeliz, surdo, estressado, sem perspectiva alguma, com medo de levar um tiro e, para piorar, numa cidade muito cara. Juntei meu povo e fomos embora para a serra, continuar nossa jornada numa cidade com menos de 2% da população do Rio, ainda segura, ainda calma, ainda ordenada, onde você conhece seus vizinhos, não tem medo da polícia, de ser “premiado” com uma bala perdida e pode dormir à noite toda, tranquilo como um bebê.

Enfim, esse texto todo é para defender que o melhor remédio contra a poluição sonora urbana (e outras mazelas) é morar no interior. Sério! Não dá nem para explicar, só o fato de perceber que você não tem dez milhões de vizinhos já é um alívio enorme. Não seja preconceituoso, meu caro leitor, experimente. Vai que você gosta?

O soldado de Berlim

Autor desconhecido

Berlim, 1932. O exército alemão começa a se reorganizar e reequipar. As tropas voltam aos treinamentos, enquanto políticos decidem o futuro do país. Mal sabem que no ano seguinte, a ascensão de um cabo austríaco ao poder vai se transformar em uma tragédia. Enquanto isso, em alguma rua da capital, um fotógrafo anônimo flagra um soldado em seu descanso consultando suas mensagens no seu celular….

Pera aí, em 1932 não existiam smartphones! Sequer celulares. Os telefones eram de magneto e poucos tinham acesso aos seus serviços. Tem alguma coisa fora de lugar nessa foto e eu é que não sou! Seria o soldado um viajante do tempo? Alguém que saiu do século 21 para assistir ou até mesmo tentar impedir a ascensão do nazismo? Se foi isso, não deu certo…

Por outro lado, quem garante que o militar não era um alienígena recebendo instruções de sua nave espacial, devidamente camuflada para não espalhar o pânico? Hum, sei não, o sujeito tem cara de alemão de cinema mudo mesmo! Talvez o celular fosse apenas apenas um espelho e o jovem estava dando uma de Narciso. Também não parece possível, com certeza o resto da tropa estaria em volta às gargalhadas.

A foto provocou discussões, mas a explicação mais viável é que alguém passou por um set de filmagem, percebeu o ator fardado com o smartphone nas mãos, fez um pequeno retoque para dar um ar de anos trinta no ambiente e pronto, nasceu uma foto no mínimo curiosa, que serviu até de inspiração para o post de hoje. De qualquer maneira, se você tiver uma explicação melhor, pode mandar para o blog. Teorias & Conspirações são comigo mesmo!