Adeus, FIló

Adeus, minha amiga. Ou melhor, até algum dia, quando eu me for e te encontrar me esperando, alegre, disposta e saudável, pulando alegre, como você fez tantas e tantas vezes nesses dez anos que convivemos juntos. Adeus, minha amiga. Se você, por um acaso, conhecer meus pais, dê um sorriso para eles e se for possível, diga que estou morrendo de saudades. Adeus, minha amiga, perdoe meus momentos de mau humor, minha insegurança, minhas dúvidas. Adeus, minha amiga, obrigado pela companhia, pelos passeios, brincadeiras e carinhos. Fique com Deus e tenha certeza que estou sentindo muito sua falta.

Adeus, Filó.

Copacabana

Foto: Carlos Emerson Jr.

O ano de 1950 foi bem animado: em fevereiro a escola de samba Império Serrano ganhou o desfile com o tema Batalha Naval do Riachuelo. Em junho foi inaugurado o Estádio Municipal do Maracanã e alguns dias depois começava a IV Copa do Mundo de Futebol, vencida pelo Uruguai. Já em setembro, era inaugurada em São Paulo a primeira emissora de televisão do Brasil, a TV Tupi. Em outubro Getúlio Vargas foi eleito presidente do país e nesse mesmo mês, no dia 15, na Maternidade Arnaldo de Moraes, em Copacabana, eu nasci. 

Perdoem a brincadeira mas convenhamos, a “Princesinha do Mar” era um ótimo lugar para se nascer. Morava a uma quadra da praia, no Posto Seis, onde o mar é sempre calmo, ao lado de uma pracinha feita sob medida para a criançada,  perto da escola, tinha onde andar de patins e bicicleta, uns 7 cinemas à disposição na vizinhança, bailes de carnaval infantis e fogueiras de São João nas areias da praia. 

 Não por acaso morei lá por 43 anos! 

Vida que segue, casei e me mudei, o tempo passou na janela até que um dia entra pelos meus ouvidos uma antiga canção de Braguinha e Alberto Ribeiro, gravada pelo Dick Farney em 1946 e cantarolada o tempo todo pelos meus pais, a belíssima “Copacabana”, aquela que diz “Copacabana, Princesinha do Mar, pelas manhãs tu és a vida a cantar”.  Bateu uma saudade! De longe, a gente acaba valorizando as boas lembranças e meu querido bairro, nos anos 50, era especial.

Para a rapaziada de hoje que não conhece a canção e muito menos o Dick Farney, excelente cantor de jazz e música brasileira, vale ouvir o vídeo abaixo, deixar a imaginação voar e se sentir em outros tempos, sem dúvida uma época que não volta mais.

Um abração!

Máscaras

Google Imagens

Não serei injusto, até agora, as únicas armas que dispomos para evitar o Covid-19 são o isolamento social e as máscaras de proteção respiratória, sejam elas de TNT, pano, tricoline, descartáveis, reutilizáveis, caseiras, industriais, artesanais, fashion e por aí vai. Sorte nossa! Na última grande guerra a população só dispunha de máscaras contra gases venenosos iguais ao da foto acima, grandes, pesadas, caras e difíceis de encontrar. Só fico torcendo para que nossa dificuldade em lidar com esse vírus não nos obrigue a viver com tal trambolho na cara.

Boa quarentena, amigos.

Foram DOIS mísseis!

Foto: Reuters

O governo do Irã não para de surpreender o mundo. Depois de todas as mentiras sobre a queda do vôo 752, da Ucrânia, logo depois de sua decolagem do aeroporto de Teerã, matando 176 pessoas, mais uma acabou de ser revelada e é terrível: um vídeo (ver mais embaixo) foi publicado em toda a imprensa internacional, mostrando que o Boeing foi derrubado por dois mísseis, jogando por terra a tese de disparo acidental ou nervosismo do atirador.

O primeiro míssel é disparado e acerta o avião, que continua voando. Logo em seguida, um segundo artefato é lançado, também atingindo seu alvo. O aparelho tenta retornar ao aeroporto mas acaba explodindo no ar. Uma covardia sem limites, premeditada sabe-se lá com que intenções. Se era essa a “vingança” dos aiatolás (o mais alto dignitário na hierarquia religiosa xiita), a única reação que eles conseguiram foi o repúdio internacional. Uma barbaridade.

Acidente na Avenida

Foto: Carlos Emerson Jr.

Não deu para fazer fotos, mas imaginem a cena: Avenida Galdino do Valle (a do Rio Bengalas), hoje bem cedo (para aproveitar o sol quente depois de um loooongo inverno), ainda com poucas pessoas caminhando. A mocinha, toda arrumada para o trabalho, vem contra o meu sentido, com um celular nas mãos (seria mais apropriado nos olhos) e um fone de ouvido enfiado nas orelhas, completamente desligada do mundo exterior (eu e os outros andarilhos). Está tão absorta que começa a desviar seu trajeto ligeiramente para a sua direita, ou seja, exatamente em cima de mim. Fui me espremendo até a grade de proteção e até a grade de proteção ela desviou. O resultado? Parei e quando a jovem ia se chocar comigo, estendi os dois braços e a segurei pelos ombros. Caramba, a guria levou um baita susto! Pedi desculpas, ela também e uma senhorinha que vinha logo atrás de mim, encerrou o quase acidente com um sermão sobre o perigo de andar na rua sem prestar atenção. Geração celular! Pois é.

Corvus oculum corvi non eruit

Google Imagem

Um corvo não arranca o olho de outro corvo, enquanto ambos são coniventes e convenientes, enquanto precisarem um do outro. A expressão em latim serve muito bem para o momento político que estamos vivendo nos últimos dias. Supremo, Congresso, Executivo, Judiciário, cheios de corvos unidos para manter a esbórnia existente desde o final da década de 90. Infelizmente, são muitos, frustrante. Corvus oculum corvi non eruit. Os romanos tinham razão.

Tá frio!

Foto: Carlos Emerson Jr.

Quando você pensa que o pior do inverno ficou no dia 31 de julho e daqui para frente o calor volta a aquecer corações, corpos e mentes em Nova Friburgo, a segunda-feira, hoje mesmo, resolve provar que é uma espírito de porco e um ar gelado, úmido, chuvoso toma conta da nossa serra. Resultado, estou digitando essas tremidas linhas, às 18:14, trancado com a Filó dentro do escritório, com um moletom, suéter de lã, xale idem e um aquecedor de ambiente à óleo ligado no máximo nas minhas costas. Ok, confesso, reclamei do veranico a alguns meses atrás. Bem feito, agora o remédio é aguentar a friaca e torcer para que amanhã, pelo menos amanhã, o sol dê as caras. Outro banho na geladeira de hoje eu não mereço! (A propósito, a mínima, segundo a estação do INMET, foi 9,7º)

Rutger Hauer: Lágrimas na Chuva

“’Eu vi coisas que vocês não imaginariam. Naves de ataque em chamas ao largo de Órion. Eu vi raios-c brilharem na escuridão próximos ao Portal de Tannhäuser. Todos esses momentos se perderão no tempo, como lágrimas na chuva. Hora de morrer.’”

Roy (Rutger Hauer)

oOo

Infelizmente a hora chegou para o ator holandês Rutger Hauer, o inesquecível e apavorante replicante Roy, de Blade Runner. Ridley Scott, recentemente, revelou que o texto acima foi todo escrito pelo Rutger e achou tão bom que reuniu toda a produção e refilmou a a cena final ainda na mesma madrugada. Ainda bem, ficou bonito, tocante e humano, terrivelmente humano. Para quem, como eu, assistiu Blade Runner umas vinte ou trinta vezes, a partida do ator holandês é uma tristeza só. Mas, cabeça para cima, o show deve continuar. Obrigado por ter me emocionado, Rutger.

Roubando o Rio

A prisão de um procurador do estado do Rio de Janeiro, pela Lava jato, coloca números em um dos maiores escândalos cometidos pelo condenado e presidiário Sérgio Cabral e sua gangue, a construção da Linha 4 do metrô carioca, uma vergonha completa, uma roubalheira na cara de toda a população que ainda teve que aturar os discursos e entrevistas mentirosos do ex-governador, do ex-prefeito e dos organizadores dos Jogos Olímpicos, um bando de ladrões!

O Portal G1 entrega o tamanho do prejuízo do Rio: “em 1998 o projeto da Linha 4 foi orçado em R& 880 milhões. Quando o governador Sérgio Cabral resolveu retomar as obras, o valor passou para R$ 3 bilhões. Em 2016, quando foi inaugurada, o valor total gasto pelos cofres públicos foi R& 9,6 bilhões, 11 vezes mais.” “O governo do estado recebeu R$ 59,2 milhões em propinas e o procurador detido R$ 1,265 milhões da Odebrecht para mudar o trajeto do Metrô.

O pior é que quando a gente pensa que quatro ex-governadores e um ex-presidente presos é o suficiente, figuras estranhas, travestidas de autoridades, surgem vendendo animadamente a construção de um autódromo em Deodoro, bancado pela iniciativa privada. Pois é, você acredita? A cidade do Rio de Janeiro precisa de tudo, mas tudo mesmo e a turma quer empurrar pela goela da população uma obra inútil, destinada a virar mais um elefante branco, já licitada cheia de irregularidades e sob suspeitas do MP. Pelo visto a festa não terminou, não é senhores? Putz!

Para ler as matérias do G1 com essas barbaridades, clique aqui e aqui.

Tapetes de Corpus Christi 2019

Foto: Carlos Emerson Junior

Ontem, 20 de junho, foi o dia da festa de Corpus Christi, instituída pelo Papa Urbano IV no dia 8 de Setembro de 1264, lembrando a caminhada dos peregrinos em busca da Terra Prometida. Como todos os anos, Nova Friburgo parou e se emocionou com os tapetes de sal, confeccionados ainda na madrugada, debaixo de muito frio. Aliás e a propósito, consegui encontrar no A Voz da Serra um breve histórico desta tradição em nossa cidade:

“A confecção de tapetes remete a 1ª década do século passado. Há registros de que em 1902, 1903 já eram feitos os tapetes no Colégio Anchieta. Aliás, de lá saía a procissão de Corpus Christi pela cidade após a Missa Campal, conduzida pelo bispo. O tapete do Colégio Anchieta deu notoriedade a esse ato. Dizem que o tapete de Corpus Christi do Anchieta era um dos maiores do mundo. O último que se teve media aproximadamente 2.800m². De terra é provavelmente o maior. Em termos de tamanho só perdia para um tapete de flores que é feito na Áustria. O tapete foi confeccionado por décadas até os idos de 70, quando o trabalho foi cessado e sendo retomado pelo Profº Antonio Savioli, que foi aluno do Colégio e como aluno ajudava a fazer o tapete. Como diretor, resolveu retomar a tradição que foi interrompida novamente após a saída dele da direção. Mas a história está aí e traz uma série de lindos tapetes com diversas temáticas eucarísticas.” (A Voz da Serra)

Fotos: Carlos Emerson Junior

O tapete que mais me agradou foi feito pelo pessoal do Agenda 21 Nova Friburgo, deixando uma mensagem muito importante para todos nós:

Foto: Carlos Emerson Junior