Guarita

Olhou para o relógio e impaciente viu que ainda faltavam uns vinte minutos para sair da guarita. A madrugada se arrastava úmida, silenciosa e solitária e a enorme avenida à sua frente compreensivelmente permanecia totalmente deserta. Sentiu vontade de fumar, mas acender um cigarro não era possível, pelo menos não enquanto estivesse de guarda. TrocouContinuar lendo “Guarita”

O melhor tinto da casa

Chovia torrencialmente. Sentado no antigo restaurante alemão, de frente para a porta, observava a rua sendo lenta e consistentemente tomada pela água que descia do morro próximo. Agora nenhum pedestre se atrevia sequer a caminhar embaixo da marquise. Os automóveis começavam a rarear. Aquela tempestade prometia. Reparou, desolado, que a garrafa do vinho tinto estavaContinuar lendo “O melhor tinto da casa”

Três contos curtos

Dia de eleição Saiu para votar desanimado, só por obrigação. Na esquina da zona eleitoral viu um botequim aberto, servindo cerveja. Lembrou da Lei Seca, que proibia a venda de bebidas alcoólicas durante a votação. Uma bobagem, claro, políticos sempre fizeram muito pior e todos os dias. Parou na porta do estabelecimento, examinou o lugar,Continuar lendo “Três contos curtos”

Um lindo dia

Caminhava tranquilamente pelo badalado Boulevard Olímpico, no centro do Rio. Absolutamente nada para fazer, nada para se preocupar e, até mesmo, nada a temer. O dia lindo, explodindo de azul, até permitia que ele contemplasse, admirado, os armazéns, sobrados e igrejas que a antiga Perimetral escondera durante tantos anos. Mas o melhor de tudo eraContinuar lendo “Um lindo dia”

Miniconto: porta

Acordou bruscamente, um tanto desassossegado, com uma vaga impressão de que estava sendo observado. Na escuridão do quarto, muito escuro, viu a mulher dormindo profundamente ao seu lado e no chão, em um tapetinho, a cachorra sequer se mexia. O sono era tanto que definiu logo que tivera algum sonho e fechou os olhos paraContinuar lendo “Miniconto: porta”

Ladrões

A jovem executiva saiu apressadamente da reunião com a diretoria de ensino da Uerj, já pensando no próximo destino, a Faculdade de Medicina da Ilha do Fundão. Olhou o relógio e preocupou-se, afinal não conhecia o Rio direito e jamais tinha se aventurado por essas bandas da Mangueira. Chegou na rua, procurando um táxi. TirouContinuar lendo “Ladrões”

Uma ponte estreita

  – Olha que confusão! – Mas tem uma placa avisando, “Atenção Ponte Estreita”. – E cavalo lá sabe ler placa? – Pô, claro que não sabe. Cavalo é um animal irracional, esqueceu? – Ah! Mas o condutor do veículo com mais de 30 cavalos com certeza sabe ler! – Será? – Claro, pra guiarContinuar lendo “Uma ponte estreita”

Anomalia ou quando você sonha com um SMS da Defesa Civil

Acordou. A manhã escura, chuvosa e fria não era exatamente um convite para sair da cama. Tentou, mentalmente, listar tudo o que tinha a fazer durante o dia mas a preguiça era muito forte, não conseguiu pensar em nada. Esticou o braço e puxou o celular. Apertou a tela e notou que havia apenas umaContinuar lendo “Anomalia ou quando você sonha com um SMS da Defesa Civil”

Encontro no cais

Atravessou a rua, pulou a mureta e desceu o pequeno cais, a essa altura completamente lavado pela chuva e as ondas do mar agitado. Como já esperava, não encontrou ninguém. Decepcionado, consultou o relógio e pressentiu que, mais um vez, o encontro marcado não ia dar em nada. A manhã estava bem fria e nuvensContinuar lendo “Encontro no cais”

O homem que odiava

Tinha ódio da humanidade. Não importava quem fosse ou de onde viesse. Ninguém prestava. Remoia isso todos os dias, quieto no seu canto, olhando aqueles rostos repulsivos que a todo momento se aproximavam para pedir alguma coisa. Detestava seu trabalho, é claro. O patrão, a rotina, a cara dos colegas, os estúpidos clientes. Se pudesseContinuar lendo “O homem que odiava”